Só sei que nada sei, mas ainda insisto em digitar...

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Só sei que novelei.

"...pare de ser um filho da puta e criticar as novelas. Elas ainda são necessárias à cultura de muitas pessoas na nossa sociedade. E cada um absorve a cultura que puder absorver, à seu tempo."

Eu comentei esses dias com uma conhecida que tinha dado boas risadas assistindo à certos momentos da novela das sete chamada "Ti Ti Ti". Ela me olhou com certa indignação, para não dizer nojo, e expressou-se de uma forma que aliás eu não suporto, dizendo "Aff..."

Novelas. Tradição nacional. Orgulho nacional, ou vergonha tupiniquim?

Claro, já disse o poeta que gosto é que nem cu. E isso há de ser respeitado. Mas contra fatos, não há argumentos.

Vamos aos fatos.

As novelas, sejam elas das seis, sete, oito (que há ANOS começa depois das nove) são importantes pra caralho na sociedade brasileira. Se você é como eu, nascido nos gloriosos anos 80, ou se você é ainda mais velho do quê eu, você com certeza cresceu assistindo novelas da Globo. E não adianta dizer que era por que você era mais jovem, a porra que for...não argumente, apenas concorde: você assistiu pelo menos uma e gostou.



Eu pelo menos, lembro-me de novelas como "A Viagem", "Quatro por Quatro", "O Fim do Mundo", "Por Amor", "Laços de Família". E sinceramente, eu me diverti de verdade assistindo e acompanhando essas novelas. Assim como minha família e amigos, na época. Eu lembro de comentar sobre novelas na escola, enquanto comentávamos sobre Cavaleiros do Zodíaco, Mortal Kombat e Pokémon.

Nas década de 80 não existia TV à cabo nem Internet. A TV à cabo (que na minha época chamava Multi Canal) e a Internet (que era discada, puta que o pariu) foram surgir apenas nos não menos gloriosos anos 90.

Aliás, me senti velho agora usando esses termos "anos 80", "anos 90"...

Como não existiam nem TV à cabo, nem Internet, éramos submetidos às vontades das grandes emissoras de TV. Nossa cultura do dia-a-dia era praticamente provida por grandes emissoras, revistas semanais (como a VEJA) e jornais. Mas que criança ou adolescente que lia (ou lê) jornal? Estranho demais pensar que já vivemos assim, não? E que éramos felizes assim? A vida realmente era muito mais simples.

Nesses tempos medievais, a novela sempre foi GRANDE entretenimento nos começos de tarde e finais de noite nos lares brasileiros, sem exceções.

Se hoje você acessa e interage em todas as mídias virtuais como Facebook, Orkut, Twitter, baixa filmes pela Internet, assiste o que bem quer pelo Youtube e mal assiste televisão, tudo bem. Isso prova apenas que você é um ser humano normal (há controvérsias) que vive no ano de 2010.

Mas não fale "Aff" quando alguém falar de novela, pois teu passado te condena.

E tem outra coisa, o teu tipo de humor pode se refinar ao longo dos anos. Isso é natural.

Isso também tem a ver com momento cultural e social. Devido à toda essa globalização, quando adolescentes assistimos "Seinfeld", "Friends", entre outros. Aí acabamos tendo contato com um outro tipo de humor, e é inevitável que ocorra o choque cultural.

Mas muito embora eu e você achemos a maioria das novelas uma merda (e são mesmo, principalmente as do SBT e Record), respeitemo-as, pois ela são ainda muito importantes para nossos pais, tios e avós, por exemplo.

Nem todas as gerações conseguiram aderir à revolução das máquinas, e com certeza a maioria dos pais e avós de vocês (assim como os meus) ainda assistem novela quase todos os dias. E ficam lá na deles, assistindo aquela porra, enquanto eu fico na minha (assim como você) sentado no computador, blogueiro de merda que sou.

A cultura dos nossos tios, pais e avós não é a mesma que a nossa. Somos uma geração mais globalizada. Interagimos com o mundo, enquanto eles interagem com as novelas. Muito embora muitos pais, tios e avós de fato tenham aderido à tecnologia presente no nosso dia-a-dia, a maioria inexoravelmente ainda faz questão de sentar no sofá e assistir as novelas. E se eles estão felizes, eu estou feliz. Afinal, numa época remota da minha vida, isso me fazia feliz.

Se novela não fosse importante ainda para algumas pessoas, uma emissora visionária e capitalista como a Globo não gastaria MILHÕES todos anos produzindo tantas novelas, durante tantos anos, e em TRÊS horários diferentes. Isso por que de tarde ainda passa o reprise de alguma no "Vale a pena ver denovo".

Aliás, a mesma Globo tem um canal à cabo chamado "Viva", onde passam novelas antigas da Globo praticamente 24h.



A Globo não investiria à toa em algo assim, pois na sociedade capitalista, nenhuma empresa visionária não investe em um mercado que não tenha procura.

Sem mencionar que as nossas novelas são referência internacional. Espécie de "Hollywood" do mercado noveleiro mundial. É só comparar qualquer nossa, em todos quesitos, com uma novela mexicana: já teve o desprazer de pelo menos tentar assistir algum episódio de alguma novela mexicana? Pior, novela mexicana dublada?

Conclusão: pare de ser um filho da puta e criticar as novelas. Elas ainda são necessárias à cultura de muitas pessoas na nossa sociedade. E cada um absorve a cultura que puder absorver, à seu tempo. Não julguemos. Estimulemos sempre a cultura e o entretenimento necessário no nosso dia-a-dia, para todas as camadas sociais.

E se você é tão culto assim, saia do meu blog e vá assistir o Discovery ou o History Channel. Leia um bom livro, e faça como os antigos: dialogue com alguém sobre o que você leu ou assistiu, trocando e divergindo opiniões. É isso que nos faz crescer, dar e receber opiniões. Afinal, da compilação e análise de muitas opiniões nascem as nossas verdades pessoais, que nos conduzem às verdades universais.

Nunca tente ser o dono da verdade, até por que nem que você tentasse você conseguiria. Afinal, não se pode ser dono de algo que na verdade pertence à toda a coletividade.

Seja sim o dono do amor à verdade. Mesmo que você tenha assistido (ou assista) uma ou duas novelas. Deus te perdoa.

Responda a pergunta abaixo. Quem é pior?

(   ) noveleiro (a) da Globo

(   ) noveleiro (a) do SBT ou Record

(   ) noveleiro (a) de Globo, SBT e Record

(   ) noveleiro (a) do canal Viva

(   ) blogueiro (a)

(   ) twitteiro   (a)

(   ) noveleiro, blogueiro e twitteiro

(x ) todas as respostas estão corretas.

PS: Me sinto velho mesmo, na última novela das seis chamada "Escrito nas Estrelas", o Humberto Martins não tirou a camisa NENHUMA vez.



PS2: Me senti mais velho ainda quando vi, qualquer dia desses, aquela atriz Cecília Dassi, que interpretava a menina Sandrinha que era filha do Orestes (que era um chapado na novela "Por Amor") e achei ela gostosa. Me senti velho, além de um pouco pedófilo. Apenas meu Id em ação, eu acho.

3 comentários:

  1. Eu realmente não tenho paciência para novelas, acho que os clichês já se esgotaram - e olha, você sabe, eu sou um clichê ambulante - sem contar o tanto de informações desnecessárias que elas transmitem. Hoje em dia mal assisto a TV, e meu passado me condena, sim, em certo ponto, pois quando não existia TV a Cabo a gente tinha que se contentar com a Globo.

    Mas, em minha defesa, eu cresci assistindo ao Catavento, Bambalalão, Ra-Tim-Bum, Anos incríveis, Mundo da Lua, Aventuras de Tintin, Doug, Beakman, e na adolescência meu interesse pela TV se resumia a clipes, filmes, séries e documentários.

    Não vejo muita diferença entre as novelas e as soap óperas, ou seriados, principalmente os que seguem a linha "Beverly Hills 90210" e "Melrose Place". Mas as sitcoms são muito mais interessantes, não?

    A TV e as novelas não são o problema. O problema é fazer disso a sua vida. E daí entramos na questão do Twitter, Orkut, Facebook, e tantos outros. Alienação não é resultado somente da TV... Tudo isso faz parte da vida, apenas como meio de entretenimento. A partir do momento em que a TV ou o computador passam a ser o centro das nossas vidas ou das nossas casas, temos um problema...

    P.S.: NOVELEIROOOOOOOOOOOOOO

    ResponderExcluir
  2. nossa adorei Tayan, muito legal :D
    beijos

    ResponderExcluir